Monthly Archives: August 2014

Desatino 44

Desatino / 44 [Que é feito do armário?]

 

»»»»» Este desatino vem a ser sobre o ouvido — o que o ouvido ouve, que é parte da substância destes desatinos.

»»»»» Para perceber a frase ouvida, entenda-se que as palavras armário e carro significam não só o que literalmente significam, mas também, por efeito metafórico, um físico masculino armado de peitorais e braçais apreciáveis.

»»»»» Diz confidente uma mulher nutrida e preponderante, numa esplanada, a uma outra, curvamente abismada na sua taça de café com leite:

»»»»» — Ela ia com um gajo que não tem nada a ver com o armário com que andava!

 

António Sá

[27.08.2014]

Desatinos: texto introdutório

Desatinos: texto introdutório

 

»»»»» Aqui vai editada uma série de desatinos, de muito-sério desatino, escritos ao desabar dos dias bons para desatar toda a espécie deles. Junto com a série editam-se três flashes marxistas, tendência Groucho, a desabrir ou a desfechar, como se queira.

 

António Sá

[série iniciada a 23.07.2012]

Desatino 43

Desatino / 43 [O lagarto e a formiguinha]

 

»»»»» — Quanto mais como mais volume ganho, e quanto mais volume, mais apetite tenho, justamente para sustentar tanto volume. É a lei natural, a que obedeço com prazer — diz o lagarto concupiscente à formiguinha passante. Esta apressa o passo atarantado, dobra o corpinho e formula para parte incerta o seu salto acrobático. Em pleno rapto aéreo, ela replica repontona:

»»»»» — O que tu queres sei eu!

 

António Sá

[08.08.2014]

Desatino 42

Desatino / 42 [Roubar é preciso]

 

»»»»» Um esforçado lusitano, na sua meia-idade, vendedor de fruta por conta própria, a conta dele não a da fruta, dizia-me há dias, na sequência de uma conversa breve e fera sobre arcaicos e recentes arrivistas respeitáveis (uns banqueiros, outros empresários, outros ainda políticos):

»»»»» — Isto é assim: um homem tem de roubar muito para levar uma vida respeitável…

 

António Sá

[12.08.2014]

Desatino 41

Desatino / 41 [Valores]

 

»»»»» “Pelo valor que constitui a lealdade, e por grande respeito também para com a minha espécie”, reflectiu a jibóia, séria e sinuosa, “devo envolver-te no meu abraço apertado, e logo aconchegar-te entre as minhas goelas”. Reflectiu e, num acrobático golpe-de-corda-solta, enrolou-se em redor do cabritinho pascente.

 

António Sá

[25.07.2014]

Desatino 32

Desatino / 32 [Pêlos na cabeça]

 

»»»»» Uma jovem prostituta morena e pujante comenta com a amiga a mensagem sms de um cliente, que dizia “onde é que tu tens pêlos?”. As duas riem perdidamente, e a puta responde à mensagem: “na cabeça! eu tenho os pêlos na cabeça!”

 

António Sá

[12.02.2014]

Desatino 31

Desatino / 31 [De manhã ouro, à tarde prata, à noite mata]

 

»»»»» — A comer laranja a estas horas? — diz o namorado muito materno. — Não sabes que a laranja à noite mata?

»»»»» — É que eu quero morrer de laranja pela noite — responde-lhe empertigado o companheiro.

 

António Sá

[11.02.2014]