notas & noções.7

notas & noções.7                                                                                      

»»»»» Nota prévia: este texto, para evitar ajuizamentos imediatos, convém ser lido em submissão aos pressupostos enunciados nas notas & noções.6 (*).

»»»»» Com base numa teoria da Europa, fez-se isso que com humildade diplomática geoestratégica se denominou “União Europeia”. Chegado aqui, tenho de respirar fundo, ganhar fôlego para ir mais longe e entretanto, impacientemente, perguntar: “— Porquê?”; “— Era mesmo necessário haver?”; “— E, sobretudo, haver da maneira que há?”

»»»»» “— Enfim, por grandes causas, das melhores seguramente.” Por hipótese, de entre elas, e não menor, a causa supra-expansionista (**), claro que entendida em muito nova, sub-reptícias modalidades, distantes dos móbeis imperiais e coloniais dos séculos XIX e XX. E seria caso para perguntar também: “— A Europa não descansa?” Mas reitero que me situo num campo de livres, intrépidas hipóteses, e remeto de novo, como vem na nota prévia a este texto, para pressupostos enunciados nas notas & noções.6 (*).

»»»»» E em todo o caso: encontro-me protegido assim, enquanto europeu (***). Não escrevo isto com ironia, antes com gratidão pelo que esta União, dita “União Europeia”, concebida por bons espíritos, idealistas, faz pelos seus cidadãos-europeus, mas isso não me coíbe de especular num trapézio sem rede, mesmo que tal se afigure um movimento auto-perverso.

 

Notas:

»»»»» (*) O texto das notas & noções.6 foi este:

»»»»» Nota prévia: neste texto apenas se articulam as condições de uma hipótese.

»»»»» A “Europa” está construída enquanto “verdade” de facto. Uma verdade política geoestratégica.

»»»»» A partir desta “verdade” tal como está, vou elaborar um cenário puramente hipotético. Concebo que seja tido por improdutivo e desadequado, mas as hipóteses têm de se jogar em liberdade, e acaso participar de pressupostos ingénuos ou insípidos — foi na sua ingenuidade que uma criança disse “— Ele não traz nada vestido!”, referindo-se ao rei que desfilava no seu cavalo, tal como se narra no célebre conto de Hans Christian Andersen. Mas a tal tipo de denúncia não me atrevo, mesmo porque, nesta “sociedade de informação” que prospera, a vida vai aparecendo despida, gentes e países.

»»»»» Seja lido este cenário hipotético enquanto uma performance que se pretenda mental, e tão provocatória como seria uma performance realizada por um artista do absurdo e da abstracção insustentável.

 

»»»»» (**) Já depois de escrito este texto, já entrado o mês de junho de 2015, ouço na televisão a notícia de que, além de grandes despedimentos na Europa, o britânico Lloyds Bank equaciona a transferência da sua sede para um país asiático emergente. [10.06.2015]

 

»»»»» (***) Classifico-me de europeu, mas talvez devesse, mais propriamente, dizer-me europeu-enviesado, pelo facto biográfico de ter nascido em África, e aí ter vivido infância e adolescência.

 

António Sá

[26.05.2015]

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s