notas & noções.9

notas & noções.9                                                                                      

»»»»» Havemos de meter numa “União Europeia” países alojados em espaços geográfico-económicos radicalmente diferentes (do Mediterrâneo ao Árctico); com modos de vida e recursos naturais radicalmente diferentes (da agricultura de subsistência e artesanato ancestral à mais sofisticada tecnologia); com recepção de imigrantes e refugiados radicalmente diferente (da Itália e Grécia, receptores de grandes ondas-de-choque, à Finlândia, cujo regime de recepção é híper-restritivo) (*).

»»»»» Havemos de meter estes países na ordem estrita de belas directrizes e regras politicamente correctas, burocrático-sanitário-paranóides.

»»»»» Havemos de meter grande parte destes países numa supra-inventada moeda única, o euro.

Nota:

»»»»» (*) Na sua crónica quinzenal na separata de Economia do hebdomadário Expresso, Manuela Ferreira Leite, ex-ministra de um governo de direita e actual comentadora televisiva, escreve o seguinte parágrafo:

»»»»» “Seria, no entanto, tempo de ouvir discutir como é que países, com diferentes riquezas naturais, com graus de competitividade incomparáveis, com níveis de desequilíbrios económicos, financeiros e sociais divergentes, podem sobreviver, em moeda única, com regras comuns, sem que isso não constitua um entrave ao desenvolvimento do país.”

»»»»» Reproduzo a seguir o artigo, publicado a 20 de junho de 2015, do qual se retirou o parágrafo anterior:

artigo M.F.L 001

António Sá

[21.06.2015]

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s