Desatino 57

Desatino / 57 [Ironia arrepiante / 2]          

»»»»» Esta ironia é de Manuela Ferreira Leite, ex-ministra de um governo social-democrata, mais exactamente o Partido Social Democrata [PSD].

»»»»» A outras ironias desta senhora dediquei o anterior Desatino, quinquagésimo-sexto. Mas algum ano antes, já neste século XXI, foi produzida uma ironia arrepiante que provocou grande indignação e arrepios entre os comentadores no espaço virtual, essa classe de infelizes-felizes que disparam primeiro e pensam depois. Tais não entenderam a ironia arrepiante, que consistiu em declarar, dadas as indecisões e tendenciais recuos e recursos populistas por parte dos decisores políticos: face a tal impasse governamental, a ironia consistiu em declarar que, suspendendo-se a democracia por seis meses, os decisores poderiam então decidir autoritariamente e assim ultrapassar o impasse. Queria ela significar que a democracia exige processos negociais, eventualmente morosos, para resolver situações que um regime autoritário resolve expeditamente, ainda que em detrimento da dignidade e da vida de alguma parte da humanidade, quando não de toda a humanidade. Exemplo flagrante e holocáustico desta suspensão da democracia foi o regime hitleriano que, em seis anos de poder autoritário (1933-1939), criou a mais destrutiva das máquinas-de-guerra, que pôs o mundo a-ferro-e-fogo, nessa Segunda Grande Guerra, quando se aproximavam os meados do infausto século XX.

António Sá

[10.10.2015]

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s